superação = dar o passo adiante = desligar a antiga luzinha vermelha do carma

uma por uma, há de ser todo o ritual!

cada momento/situação trás consigo a oportunidade de superação!
nada é a toa e não existem coincidências, ou de outro modo, isso tbém não quer dizer que as coisas estão pré-determinadas.
veja se vc compreende:
o que estou querendo dizer é que o que “deus” está nos dando…o tempo todo, não é força…é a oportunidade/situação
para ser forte! não é graça…é a oportunidade/situação de ser gracioso…e daí por diante…
todos os momentos trazem consigo a oportunidade do passo adiante…e para o passo adiante não importam os
resultados (acabar feliz ou triste), isso nem existe na verdade!
ser guerreiro é conseguir enxergar que não existem momentos pequenos ou grandes, certos ou errados,
não existem momentos comuns, existem momentos e com cada um deles, a chance única de não ficar parado!
tirar o pé de onde estava…e apagar a antiga pegada!
nenhum passo é igual ao outro…porém, depois de ter dado um, é bem verdade…precisa ser dado outro!
com a mesma força, esforço e intensidade!
e sim…começa tudo de novo, o mundo não muda! isso se chama andar!
e nós nunca sabemos qual será o último…não sabemos quando será…e pior…nem se haverá último!
mas isso não importa para aqueles que simplesmente escolheram andar!
para aqueles que entraram no caminho espiritual e que anseiam por chegar na saída…ainda que ela nem exista!

a lição que se segue é final!!!

– como vão suas reflexões sobre a vida? está mantendo só pra vc?

– olha…pra te dizer a verdade…eu estou mantendo a calma…e isso já tem roubado toda a minha energia,
se é que pode ser explicado!

– vc está falando do que exatamente? da vida…da sua condiçao profissional/financeira…

– do meu microcosmo caido e perdido, e desiludido…estou mantendo a calma pra não me dar por vencida!

– vc nem tentou ainda, não querendo dizer que só exista um único caminho, mas sozinho não dá pra fazer nada a não ser perceber
que se está encalhado.

– pois é…e eu estou mais sozinha do que nunca, vc nem tem idéia!

– bem, ficar perto da minha família sempre me faz sentir muito sozinha, não sei se é assim com vc,
se intensifica pq vejo q não dá pra conversar, q eu sinto coisas diferentes deles…

– é exatamente este o sentido de “sozinha”, essa falta de identificação… mas não só com a minha família não…
com todo mundo!! e junto a isso, eu tou tendo que segurar mtas ondas…

– que ondas? ondas não são pra serem seguradas…vc tem que se deixar por elas… até morrer na praia !

– não é isso, e nem é simples assim!

– uai…então explica.

– quer mesmo?

– sim, não é coincidencia estarmos aqui agora.

– não quero que pareça mera lamentação pq não é…mas então vou te contar…

(…)

– como vou me entregar pra esse tipo de onda? não posso…
então decidi usar toda minha energia pra manter a calma…e não surtar de vez !!
daí uma coisa simples que eu sinto, às vezes, bem de vez enquando, me fazem escrever frases como:
a vida é uma valsa falando de amor! e esse é realmente o lado bom das coisas!
 
– pq vc acha q está passando por isso?

– num sei…num sei mesmo!

– o que vc tem que fazer?

– manter a calma!

– pra quê?

– pra não me entregar e não acabar ficando igual…sabe pq? pq vc acaba virando fruto do meio se vc não toma ciudado.

– vc acha q vc conseguiria se tornar assim? se vc percebe que é repugnante, digamos assim…

– se eu me entregar eu acabo achando tudo isso normal.

– talvez não tenha como achar normal…

– bom… é mto fácil não ter tempo pra mais nada que importa…e acabar sendo obrigada a ficar resolvendo
tudo isso sabe? vc vai esquecendo…esquecendo…até esquecer de vez! se acomodar!
sabe de uma coisa? sabe pq estou falando de manter a calma pra não ficar igual? é por experiência…é um alimento,
a gente precisa! se não tem…morre!

– acho que vc tem que resolver sim…não há nada “que importa” mais do q resolver as situações que vivemos…
a sua personalidade lúdica pode achar que ir ao parque e ver coisas belas são mais importantes do que enfrentar isso…
mas não é!

– o que vc não entende é que não há como enfrentar isso de outra maneira!

– não quero dizer que é pra confrontá-la…estou falando de resolver a situação…internamente,
pra não perder sua energia com isso.

– o único jeito de enfrentar é ir embora ou…manter a calma !
 
– então vá

– não dá!

(…)

– bem.. então é um carma bem complicado, não é só uma questão de sair.. pq vc não pode sair!!!

– sim…eu não posso sair, tanto que voltei…já tenho essa consciência, por isso te falei: a minha anergia está sendo gasta
pra suportar tudo isso e tentar não esquecer o que importa…

– qual é a coisa que importa que vc disse?
 
– eu disse sobre coisas que importam e coisas que não importam…e aqui, as maiores preocupaçãoes
são com coisas que não importam.

– quais são as que importam?

passou-se um longo tempo…

– ?

– ham…eu tou pensando…eu conseguiria falar as que não importam!!

– por exclusão, talvez consiga falar as que importam então…

– não importaaaa…

– me fale sobre as que importam!

– aí é que tá… eu tenho que ficar ajudando a resolver problemas que não importam, como se fossem as
coisas mais importantes do mundo…e não sobra tempo pra mais nada!

– me fale sobre as que importam…talvez isso esteja te fazendo esquecer delas, então estou te ajudando a lembrar…

– importa ter amor, viver bem com as pessoas ao seu redor, importa ir no parque e não no shopping…
importa fazer um brinquedo…e não ficar se lamentando por não ter dinheiro pra comprar…
importa chegar em casa e dormir bem…e não ficar imaginando como seria morar naquele prédio da frente sabe?

– não…
me fale sobre as coisas q importam, sem contrapor logo em seguida com o oposto.

– importa ter amor pra enfrentar as coisas boas e as ruins…
importa se sentir inteiro apesar de tudo…importa ter força pra dizer: “que assim seja”, diante do que for,
importa manter a calama como alguém que sabe que isso vai mudar….pq nada nesse mundo permanece!

– muito bom !

– esse está sendo meu jeito de enfrentar…já que agora não posso fazer de outra maneira…eu procuro manter
a calama… pq senão eu esqueço mesmo !

– o mundo não tem saída!

– eu sei…

– o mundo não tem saída, mas ilogicamente é imprescindível que seja diferente, seu proto-átomo não te diz isso?

– se não disesse eu já haveria me esquecido por completo, pode ter certeza !
aliás, ele age tbém…isso que é mais incrível…não sei se eu que acabo ficando mais sensível…
mas em meio a tudo isso…às vezes uma coisa…qq coisa simples que seja (que em outros momentos passariam desapercebidas)…
me fazem lembrar por um instante da “saida”…e é o que me mantém calma por mais um tempo…o meu proto-átomo não me
abandona nunca…

– é..

– essas coisas simples que vejo, são aquelas mesmas citadas no final desse filme de agora:
“e que ela deixou pra trás pequenos passos de sua passagem na terra…visíveis apenas para aqueles que sabem onde olhar!” 

– mas lembre-se tb q ele é muito mais do que algo que te faz lembrar e se manter calma…hehe…

– ele é oq tbém?

– ele é quem deve ficar no seu lugar…o verdadeiro dono desse sistema que vc acha que é seu e gira em torno
das suas verdades.

– e o que eu devo fazer? eu dou o meu sangue por ele…mas o que devo fazer?

– já ouviu a estória do “alexandre o grande e o sábio”?

– não que me lembre…

– é linda…vou te contar…
“alexandre o grande era o maior imperador até o momento, nunca ninguém tinha sido tão poderoso, conquistado tantos reinos,
juntado tantas riquezas, mas ele tb era bom e amador do conhecimento …
ele soube de um sábio que vivia em uma de suas cidades, que era o mais sábio de todos (não lembro o nome do filósofo),
então, ele foi até ele e se apresentou…
o sábio estava pobre e fraco tomando seu sol matinal qd alexandre se prostra a sua frente: ´eu sou o grande imperador..
e posso fazer tudo q vc queira, admiro sua sabedoria…quero te recompensar!
peça-me e terás, faço qq coisa q pedir !!!´
o sábio olha pra ele e calmamente diz: ´q bom…peço então que vc pare de tampar o sol que estava me aquecendo”

é assim com o eu e a alma…
qd eu ouvi me identifiquei totalmente com alexandre o grande…
alexandre somos nós…que dizemos que fazemos tudo, qq coisa…podemos morrer pela nova alma, por esse caminho…
“é tão grande meu anseio, minha vontade de colaborar, peça e terás !!!”
e sem perceber, somos nós que barramos a passagem da luz que deve chegar à alma…

– pois é…
nossa conversa foi exatamente assim: “então o que devo fazer? me diga que eu faço!”

– o q vc deve fazer? sair da frente

– eu acho que não sei sair da frente…

– pare de achar que sua vida te pertence, que existem seus problemas, que existe sua forma de ser, que existe seu passado,
seu futuro…pare de tomar deciões de como vc deve viver, como deve fazer pra superar o que te atormenta, os seus esquemas
de sobrevivência, de não-enlouquecer…
mas tudo isso…só faz sentido qd se está no limite…e talvez a vida ainda tenha que te empurrar a ele mais um pouco… 

– mas eu já cheguei nesse limite antes.

– vc fugiu dele então.

– já cheguei nesse limite de entendimento…

– não é entendimento…é saturação anímica mesmo.

– e daí oq acontece?

– vc desaba e se abre.

– não muda nada! vc simplesmente acaba tomando as rédeas novamente. estou errada ?

– comigo não foi assim
eu quebrei pra sempre…enqto vc ainda tiver esperanças de ver o lado bom das coisas, no mesmo sentido dialético
das coisas… ainda vai ter q se confrontar com o outro lado da mesma moeda …talvez vc tenha q enxergar q parques e
shoppings são iguais !

– pois é…eu me lembro claramente de já ter enxergado…

– os insights servem pra que ajamos se não… somem no passado… não adianta vc dizer q já pensou nisso um dia…
faça ser assim !!!!

– obrigada !

– eu dizer é muito pouco…tenha alguma coisa na sua rotina que te lembre sempre, talvez seja essa a mágica do grupo…
vc ir a um lugar marca a sua vida pq vc tem que arrumar espaço na agenda, fazer esforço pra ir… marca a memoria,
ocupa um espaço e um tempo na sua vida…os livros que ocupam espaço na prateleira da sua memória…
impregne seu ser o máximo possível…contamine seu espaço e tempo!
leia algo, vá a algum lugar em que vc faça sempre algo relacionado ao seu proto-átomo…q seja um parque,
o mesmo parque, no mesmo banco, sempre com a única finalidade…
é muito importante isso, eu descobri pra que serve ir a um lugar, pra que consagrar templos…
se somos nós na verdade o templo, se a verdade está em nós…é pra isso!
marcar o espaço e o tempo…ocupar a memória, abrir espaço na agenda, criar o esforço …
(…)ai arrumamos um banco pra chamarmos de templo…embaixo de uma árvore bem frondosa em que diremos
que foi onde buda se iluminou…

(…)

– o pior é que eu me lembro…mas me sinto tão impotente…como é duro!!!

– é ótimo estar impotente…pq não é vc q tem q fazer nada. no fundo vc se sente impotente pq está
se esforçando pra se impor…
parece loucura nesse momento alguém te dizer pra parar de gastar energia pra se manter calma?
gaste energia tatuando sua rosa na testa !!!

um dia depois…

– em uma parte da nossa conversa vc diz:
“não há nada que ´importe mais´ do que resolver algo que está acontecendo neste momento”
certo?

– ok…certo.

– depois vc diz:
“pare de tomar decisões de como vc deve viver, como deve fazer pra superar o q te atormenta, os seus esquemas de
sobrevivência, de não-enlouquecer…”
não estou questionando o paradoxo…mas o que vc acha mais certo?
pq se vc entende que é para vc parar com todas estas coisas…é pq vc confia em algo….e se vc confia …
isso anula totalmente a primeira coisa que vc falou:
que não há nada que “importe mais” do que resolver algo que está acontecendo neste momento.
entende?

– não é um paradoxo
a primeira questão se refere a necessidade de não fugir das situações…não fingir que está tudo bem, não tentar “esquecer”
indo fazer coisas legais, vendo coisas belas…enqt na verdade sua vida está caótica!
a outra questão é: ok, não vou fugir, vou encarar de frente o que está acontecendo… o q devo fazer?
vc deve analisar profundamente seu ser, a realidade da situação, os motivos…esse auto-conhecimento, esse
discernimento é fundamental…
e ai vem a segunda questão: vc percebe q não dá pra fazer nada, vc mesmo não consegue…
“resolver” aqui, significa entregar a questão após profundamente ter visto ela de frente.
no evangelho da verdade tem uma passagem q diz q pra exterminar uma árvore daninha, não se deve pegar um machado e cortá-la
a força, pq ela vai crescer de novo…deve-se cavar até encontrar a raiz e expô-la à luz do sol… e ai a árvore morre!
esse cavar é o discernimento…
e depois deixa-se pra que se resolva pela luz.

– “resolver” aqui significa entregar a questão após profundamente ter visto ela de frente.
é o esgotar das possibilidades…vc não pode dizer que não há solução sem nem ao menos tentar todas possíveis….é isso?

– não.. não é esgotar as possibilidades…não é nenhum tipo de “agir”…é uma atividade da consciência apenas, q tenta
compreender a situação…não há nada a ser feito…não tente soluções,pare de tomar decisões aleatórias sobre como vc acha
que vai funcionar…
só aja qd não houver dúvida alguma que seja sua alma te impulsionando…ou seja…não aja…entregue-se!
morra!!

– entendi…agora sim !
agora vejo a falta de contradição…
enquanto houver dúvida…é apenas alexandre…tampando a luz…

– sim
compreenda a situação de forma sincera..na postura de tentar compreender o motivo cármico praquilo.
a maioria das pessoas quer simplesmente resolver as coisas q causam sofrimento e não tão nem ai pro q realmente tem q ser.
quem está num caminho espiritual, seu sofrimento não importa… é preciso compreender e agir conforme o q deve ser
experimentado, o q deve ser vencido !!!

Anúncios

se eu bem me lembro … a coragem os distinguirá !

domingo, 19 de junho de 2005

sobre o que passou ou passará desapercebido
(ou : pq entre o extasi de ser um trapezista e a segurança de estar no picadeiro, eu escolho andar na corda bamba ?
ou ainda : são apenas os rastros, que se antecipam aos próprios passos !)

“E o mundo permanece
Como se nunca tivéssemos partido
O chão sustenta as paredes
E as paredes tecem o labirinto
Os prédios
Cada vez mais altos
Aniquilam o horizonte
Bem-vindo ao céu!
Agora está alto o bastante
Veja
Esse é o nosso fim
Eu que te escrevo
E você que me lê
Ambos tão reais…
Porque então
Tentamos
Desesperadamente
Existir?
Não podemos mais voltar atrás
Nem que você me convença
De que tudo isso não passa de um punhado de palavras
E que eu poderia te escrever para sempre
E você poderia continuar lendo-me
Confortavelmente
Nas historias que nos fazem dormir
Abra os olhos
Veja
Nós estamos em plena queda
É que esse momento é assim mesmo
Parece uma eternidade
Mas dura apenas o tempo
Do próprio tempo colidir com o espaço
E tudo que somos
E tudo aquilo que representamos
Chega a um fim

Provavelmente
Quando estiver lendo essas palavras
Já não seremos mais quem fomos
Por isso
Deixo com você a tarefa de escrever-se
Com suas próprias palavras
Não esqueça
O mundo não notará a sua ausência
Muito menos a transmutação em decorrência do impacto
Toda a encenação será armada diante de si
O próprio vestígio
Assimilado pelas leis desse mundo
Cuidará para que não haja vestígios
Da queda e de qualquer espelho quebrado
Tudo será varrido e recondicionado
Veja
Está tudo no lugar
Você está em frente ao monitor
Suas roupas, os cheiros, os sons
Aparentemente nada mudou
Impressionante, não?
Sim, é assim mesmo
Mas preste atenção
Mesmo que agora
Haja somente a verdade
Você terá que representar alguns papéis
Eu serei um deles
E então
Através de mim
Você manterá a lembrança real
Escrevendo
Como se não soubesse
Que o mundo permanece
Como se nunca tivéssemos partido
Eu serei o que em você consegue se lembrar
Do fim e do começo
Em meio a esse mundo que permanece
Mesmo quando já não existe mais.”

(por Jeronimooo Sanz)

POIS ENTÃO … MORRI !

É O QUE É !!!

“o que se apresenta como necessidade, vontade, dever
é o que é
poderia não acreditar, poderia virar as costas
mas seria estúpido
não há distância ou desolação ou ferida ou deserto
mas nem tampouco o alcance, a porta, tempestade ou pulsar
sem ups and downs, sem braçadas de um lado a outro
(a favor ou contra a corrente)
quem estivesse assim
não estaria indiferente..
estaria à espera!!!!
esperar é como estar apaixonado
pelo que ainda se viu
sem lugar para ir
sem nenhum vento a lhe contar aos ouvidos o que fazer
qual é a dança?
qual é o sonho?
qual é a luta?
é possível dançar qualquer música que consiga orquestrar,
é possível sonhar e tornar realidade qualquer sonho que consiga sonhar
é possível lutar qualquer luta que consiga travar
por isso a espera..
pela necessidade, vontade e dever
que faça realizar a dança, sonho e luta
impossível até mesmo de imaginar

isso não é poético, contundente, excitado, comovente
é o que é!!!”

por WEISS – a minha amiga-princesa-bruxa-guerreira
(o link para ela está listado – em círculo – no canto direito !!!)

e a única marcação para este post circular é: SOMENTE A VERDADE !!!

borboletas?

NÃO, EU PREFIRO OS ESCAFANDROS !!!

eu consigo enxergar dois icebergs que se desprendem da geleira-mãe no filme/livro “o escafandro e a borboleta”.

o primeiro, é aquele óbvio…que todo mundo viu !
que todo mundo vê !

o segundo, é aquele mais hermético, que se desprende por – e somente por – um escafandro !
veja, não é suficiente saber o que é…
é preciso saber para que serve um escafandro !

o aurélio diz assim:

escafandro: s. m., vestimenta hermeticamente fechada e provida de um aparelho respiratório, que permite trabalhar debaixo de água.
eu acrescentaria sem nenhum pudor: trabalhar debaixo de água e enxergar algo além da escuridão do oceano profundo onde 8/9 da nossa humanidade, estão submersos!

veja, não é suficiente saber que eles existem…e pra que servem…
é preciso se reconhecer dentro de um deles, os escafandros !

“então, ao renunciar à imortalidade da inconsciente geleira,
ele ganha a possibilidade da consciência.”

Jean, pela primeira vez sai de seu quarto/prisão (onde sempre esteve, inclusive antes de sofrer o acidente) e através de um vidro, no corredor do hospital, consegue ver a si mesmo. e pela primeira vez se reconhece “escafandrerizado”: enjaulado, dependente, preso e mais do que isso: mortal!!!

automaticamente ao se reconhecer “escafandrerizado” , ele pensa em tudo o que não foi capaz de fazer, e tudo o que não foi capaz de ser até ali (o “tribunal interno” – que condena e mata!), então ele se desprende e começa a morrer !

“O seu derreter torna cada Iceberg único:

O seu trajeto segue então a sua individuação:
do congelado, para frio, para o mais quente, para o derretimento da sua existência…
O seu derreter torna cada iceberg único, inconfundível…
e o seu gelo o torna único, o mesmo, com a geleira-mãe.
Paradoxal é a existência do iceberg.”

mas aquilo que encarcera, em algum momento, pode – e é – aquilo que liberta !
pois então, eu prefiro os escafandros !

“Antes que os olhos possam ver,
devem ser incapazes de lágrimas.

Antes que o ouvido possa ouvir,
deve ter perdido a sensibilidade.

Antes que a voz possa falar em presença dos Mestres,
deve ter perdido a possibilidade de ferir.

Antes que a alma possa erguer-se na presença dos Mestres,
é necessário que seus pés tenham sido lavados no sangue do coração.”

e só depois de ter morrido, jean renasce e ele diz:
“além de um olho e audição, eu possuo imaginação e lembrança !”
e com isso, ele obriga a si mesmo a reinventar a sua própria existência ! a ponto de esquecê-la !

“A luz que reflete na parte emersa.
É a luz refletida que reflete sobre a Lógica do Iceberg.

A lógica do iceberg possibilitou, pela sua inquebrantabilidade, o surgimento de um terceiro princípio pela sua manifestação:
o reflexo da luz sobre a pequena parte emersa.
Pela possibilidade da relação água-água cruzada na relação água-ar, a luz reflete na parte emersa.
A luz refletida é que reflete sobre a lógica do iceberg, como um efeito colateral, que se torna mais do que isso ao refletir sobre a lógica do iceberg: não está ali mas existe.”

“Refletir apenas sobre a Lógica do Iceberg
é iludir-se sobre a possibilidade de rompimento da Lógica do Iceberg.
É necessário esquecê-la.
Então, a Luz reflete sobre a própria Luz.

Então naturalmente se pergunta:
sobre o que mais a luz pode refletir?
Acha-se corriqueiramente que sobre nada além da lógica do iceberg – e então ela na sua reflexão se ilude sobre a possibilidade do rompimento da lógica do iceberg.
Então o reflexo fica refém do trajeto do iceberg.
O reflexo da luz não poderia refletir sobre a luz?
Então ele se esqueceria da lógica do iceberg.
De alguma forma, é necessário – para se superar esta armadilha racional e prática – respeitar regiamente a lógica do iceberg, esquecendo-a.
Porquê?
Porque foi o próprio reflexo que a inventou.”

“Desenvolvi uma técnica de luta flexível,
sem posições fixas.

As artes marciais
congelaram
o que antes era fluido.

Não passam de devoção cega ao
método inútil
de rotinas sem saída”
(By Bruce Lee)

“Ah! Quanto falta pra voltarmos a sonhar?

(Ou, ainda de outro modo, buda perdido – ou achado – nas entranhas de frames-películas [escafandrianos…]
porque sim, a sessão [das 14:40h da tarde de domingo sempre foi] a mais barata!!!)”

nada separado de nada !

“into the wild”
(sem imagem, sem nada…como se fosse algo completamente novo !)

“é preciso desejar, escolher uma coisa (não importa o quê), e ir buscá-lo !
não é preciso ter coragem, é preciso se sentir corajoso, e aprender a tratar as coisas pelo verdadeiro nome.
(…)
e se eu estivesse correndo, indo de encontro aos seus braços, vc poderia ver o que vejo agora?
…se enganam os que pensam que a felicidade está nas relações, a felicidade está em tudo !”

percebam:
A FELICIDADE ESTÁ EM TUDO !
inclusive nas relações…

está tudo aqui…
no humano, no natural !
em tudo !
e tudo está dentro de vc !
e tudo é a mesma coisa !

ir alé da moeda, se tornar indiferente a ela…
não-fazer !
(por lulu)

“into the wild”
(a citação)

A citação é a seguinte (porque eu sei? porque foi justamente a fala que mais me impressionou, pois pensei eu não
concordo com isso… pois a diferença que ele está fazendo não existe… a divisão entre natureza sociedade não existe mais… o personagem principal cita alguém (jack london? Thoreau?) que diz: “…se enganam os que pensam que a felicidade só existe nas relações humanas, a felicidade também está aqui, na natureza!”E por fim, é impressionante a traição que o diretor faz com o personagem que é real e viveu a sua vida e a sua morte assim, justamente com a outra parte que vc citou: “é preciso se sentir corajoso, e aprender a tratar as coisas pelo verdadeiro nome, é preciso nomeá-las”… Isto quer dizer mais profudamente: Vc deve
conhcer as coisas: com sua mente e coração: assim vc apreende a essência delas e então vc pode dar nomes a elas (Então o homem no paraíso, deu nome a cada ser pois sabia a sua natureza). PQ o diretor traiu o nosso personagem…?
pois ele usa justamente dar o nome, saber o nome, conhecer a sua essência e saber a razão da sua existência… que é um passo na iniciação do homem em busca de sua plenitude…para explicar a morte do nosso personagem: ele ignorante pensa que pode saber a essência das coisas, sabendo apenas o seu nome…ora ele identifica uma batata através de um livro… a colhe e a come em sua fome… e só depois a partir das dores e da intoxicação, ele lê o resto da indicação que diz: veneno! E então morre enevenenado!!!
O que era a busca da plenitude o matou… o diretor o trai pois todos nós buscamos isso e é justamente a coragem em buscar isso que é belo em nosso personagem…É como se o diretor dissesse é um babaca! Morreu por nada….mas todos nós somos babacas e de alguma forma morremos na busca da plenitude: uns de maneira mais evidente e outros menos (morrem vivos…a maioria são mortos-vivos…fantasmas!). Mas no final das contas… o nosso personagem merece ser traido mesmo: pois ele é um babaca!!! PQ não entendeu que não existe mais a diferença entre as relações humanas e as relações naturais… que quem quer a liberdade deve estar acima do humano e do natural, acima do bem e do mal…
(por “VK”)

A maioria das pessoas possui embutido dentro delas a idéia de que em algum momento da vida, aquele que busca a liberdade, precisa necessariamente largar tudo e se lançar na estrada, na natureza, tornando-se um hippie, um beatnike ou algo do tipo.
Mas isso é apenas ir de um lado para o outro da moeda. Continua sendo a mesma moeda, o mesmo valor.

É preciso ir além, de dentro pra fora, quer estejamos numa mesa de reunião ou colhendo abóboras, não importa !
(por sahid)