Não tendo bem certeza se estava sóbrio, perguntou aos restos:

(neste caso restos etílicos que repousavam nos copos)

“Como conseguem ser plenos se são restos?”

A pergunta soou meio tola…

“Para que haja sobra, resto, é preciso ter sido inteiro.

é preciso ter-se deixado ser sido absorvido

sem regra…só exceção.”

“E o que ganho com isso?”

“Esse é problema. “ganhar”…

Mas tudo bem.

Ganha o direito de ser resto.

Talvez isso insinue alguma inteireza…em algum momento…”

(por mim mesmo Chelah Gonzá)

A Lulu me deu a chave…por um dia…será q é pq sou resto !?