“não existe felicidade sem ação”

mas o que é agir ?

somente aquele capaz de “desfrutar” da sua insatisfação profunda, sua guerra interior, bem como sua fraqueza e agitação…pode se dar ao luxo de “desfrutar” paz interior sem culpa e descansar.
não se pode colocar num pedestal e cultuar nenhum dos lados da moeda – essa é a minha percepção depois de tanto tempo.
a menos que se acredite que os dois não são o mesmo.
aquele que entendeu o movimento do rio, percebe os obstáculos, bem como a calmaria, não se identifica no sentido de apego mas se deixa levar pq sabe ser inútil lutar com a correnteza. mas aquele que entendeu o movimento do rio, se deixa levar como um exímio caçador, que só é capaz de capturar a sua presa, pq passou dias a observar. e só é capaz de observar pq sabe o único jeito de capturar a presa: aprender a rotina dela !
portanto ação, pode ser qq coisa que esteja alerta, até mesmo se for o não-ato !

veja se me compreende:

estou deitada, neste momento, numa bela rede ao luar, olhando as estrelas esperando que mude o curso do rio, sem culpa, pq vai mudar !
e isso nada tem a ver com cair no sono e nem se acomodar.

agora, se eu puder enxergar uma saída (mesmo sabendo que o mundo não tem saída), um buraco-negro no meio do percurso e fugir por e através dele, bem…isso é uma outra história.

E antes que alguém me diga que o que a gente precisa é sempre de uma bela desculpa eu direi antes que concordo:
mas contanto que seja realmente bela !

Feliz Ano Novo !

superação = dar o passo adiante = desligar a antiga luzinha vermelha do carma

uma por uma, há de ser todo o ritual!

cada momento/situação trás consigo a oportunidade de superação!
nada é a toa e não existem coincidências, ou de outro modo, isso tbém não quer dizer que as coisas estão pré-determinadas.
veja se vc compreende:
o que estou querendo dizer é que o que “deus” está nos dando…o tempo todo, não é força…é a oportunidade/situação
para ser forte! não é graça…é a oportunidade/situação de ser gracioso…e daí por diante…
todos os momentos trazem consigo a oportunidade do passo adiante…e para o passo adiante não importam os
resultados (acabar feliz ou triste), isso nem existe na verdade!
ser guerreiro é conseguir enxergar que não existem momentos pequenos ou grandes, certos ou errados,
não existem momentos comuns, existem momentos e com cada um deles, a chance única de não ficar parado!
tirar o pé de onde estava…e apagar a antiga pegada!
nenhum passo é igual ao outro…porém, depois de ter dado um, é bem verdade…precisa ser dado outro!
com a mesma força, esforço e intensidade!
e sim…começa tudo de novo, o mundo não muda! isso se chama andar!
e nós nunca sabemos qual será o último…não sabemos quando será…e pior…nem se haverá último!
mas isso não importa para aqueles que simplesmente escolheram andar!
para aqueles que entraram no caminho espiritual e que anseiam por chegar na saída…ainda que ela nem exista!

a lição que se segue é final!!!

– como vão suas reflexões sobre a vida? está mantendo só pra vc?

– olha…pra te dizer a verdade…eu estou mantendo a calma…e isso já tem roubado toda a minha energia,
se é que pode ser explicado!

– vc está falando do que exatamente? da vida…da sua condiçao profissional/financeira…

– do meu microcosmo caido e perdido, e desiludido…estou mantendo a calma pra não me dar por vencida!

– vc nem tentou ainda, não querendo dizer que só exista um único caminho, mas sozinho não dá pra fazer nada a não ser perceber
que se está encalhado.

– pois é…e eu estou mais sozinha do que nunca, vc nem tem idéia!

– bem, ficar perto da minha família sempre me faz sentir muito sozinha, não sei se é assim com vc,
se intensifica pq vejo q não dá pra conversar, q eu sinto coisas diferentes deles…

– é exatamente este o sentido de “sozinha”, essa falta de identificação… mas não só com a minha família não…
com todo mundo!! e junto a isso, eu tou tendo que segurar mtas ondas…

– que ondas? ondas não são pra serem seguradas…vc tem que se deixar por elas… até morrer na praia !

– não é isso, e nem é simples assim!

– uai…então explica.

– quer mesmo?

– sim, não é coincidencia estarmos aqui agora.

– não quero que pareça mera lamentação pq não é…mas então vou te contar…

(…)

– como vou me entregar pra esse tipo de onda? não posso…
então decidi usar toda minha energia pra manter a calma…e não surtar de vez !!
daí uma coisa simples que eu sinto, às vezes, bem de vez enquando, me fazem escrever frases como:
a vida é uma valsa falando de amor! e esse é realmente o lado bom das coisas!
 
– pq vc acha q está passando por isso?

– num sei…num sei mesmo!

– o que vc tem que fazer?

– manter a calma!

– pra quê?

– pra não me entregar e não acabar ficando igual…sabe pq? pq vc acaba virando fruto do meio se vc não toma ciudado.

– vc acha q vc conseguiria se tornar assim? se vc percebe que é repugnante, digamos assim…

– se eu me entregar eu acabo achando tudo isso normal.

– talvez não tenha como achar normal…

– bom… é mto fácil não ter tempo pra mais nada que importa…e acabar sendo obrigada a ficar resolvendo
tudo isso sabe? vc vai esquecendo…esquecendo…até esquecer de vez! se acomodar!
sabe de uma coisa? sabe pq estou falando de manter a calma pra não ficar igual? é por experiência…é um alimento,
a gente precisa! se não tem…morre!

– acho que vc tem que resolver sim…não há nada “que importa” mais do q resolver as situações que vivemos…
a sua personalidade lúdica pode achar que ir ao parque e ver coisas belas são mais importantes do que enfrentar isso…
mas não é!

– o que vc não entende é que não há como enfrentar isso de outra maneira!

– não quero dizer que é pra confrontá-la…estou falando de resolver a situação…internamente,
pra não perder sua energia com isso.

– o único jeito de enfrentar é ir embora ou…manter a calma !
 
– então vá

– não dá!

(…)

– bem.. então é um carma bem complicado, não é só uma questão de sair.. pq vc não pode sair!!!

– sim…eu não posso sair, tanto que voltei…já tenho essa consciência, por isso te falei: a minha anergia está sendo gasta
pra suportar tudo isso e tentar não esquecer o que importa…

– qual é a coisa que importa que vc disse?
 
– eu disse sobre coisas que importam e coisas que não importam…e aqui, as maiores preocupaçãoes
são com coisas que não importam.

– quais são as que importam?

passou-se um longo tempo…

– ?

– ham…eu tou pensando…eu conseguiria falar as que não importam!!

– por exclusão, talvez consiga falar as que importam então…

– não importaaaa…

– me fale sobre as que importam!

– aí é que tá… eu tenho que ficar ajudando a resolver problemas que não importam, como se fossem as
coisas mais importantes do mundo…e não sobra tempo pra mais nada!

– me fale sobre as que importam…talvez isso esteja te fazendo esquecer delas, então estou te ajudando a lembrar…

– importa ter amor, viver bem com as pessoas ao seu redor, importa ir no parque e não no shopping…
importa fazer um brinquedo…e não ficar se lamentando por não ter dinheiro pra comprar…
importa chegar em casa e dormir bem…e não ficar imaginando como seria morar naquele prédio da frente sabe?

– não…
me fale sobre as coisas q importam, sem contrapor logo em seguida com o oposto.

– importa ter amor pra enfrentar as coisas boas e as ruins…
importa se sentir inteiro apesar de tudo…importa ter força pra dizer: “que assim seja”, diante do que for,
importa manter a calama como alguém que sabe que isso vai mudar….pq nada nesse mundo permanece!

– muito bom !

– esse está sendo meu jeito de enfrentar…já que agora não posso fazer de outra maneira…eu procuro manter
a calama… pq senão eu esqueço mesmo !

– o mundo não tem saída!

– eu sei…

– o mundo não tem saída, mas ilogicamente é imprescindível que seja diferente, seu proto-átomo não te diz isso?

– se não disesse eu já haveria me esquecido por completo, pode ter certeza !
aliás, ele age tbém…isso que é mais incrível…não sei se eu que acabo ficando mais sensível…
mas em meio a tudo isso…às vezes uma coisa…qq coisa simples que seja (que em outros momentos passariam desapercebidas)…
me fazem lembrar por um instante da “saida”…e é o que me mantém calma por mais um tempo…o meu proto-átomo não me
abandona nunca…

– é..

– essas coisas simples que vejo, são aquelas mesmas citadas no final desse filme de agora:
“e que ela deixou pra trás pequenos passos de sua passagem na terra…visíveis apenas para aqueles que sabem onde olhar!” 

– mas lembre-se tb q ele é muito mais do que algo que te faz lembrar e se manter calma…hehe…

– ele é oq tbém?

– ele é quem deve ficar no seu lugar…o verdadeiro dono desse sistema que vc acha que é seu e gira em torno
das suas verdades.

– e o que eu devo fazer? eu dou o meu sangue por ele…mas o que devo fazer?

– já ouviu a estória do “alexandre o grande e o sábio”?

– não que me lembre…

– é linda…vou te contar…
“alexandre o grande era o maior imperador até o momento, nunca ninguém tinha sido tão poderoso, conquistado tantos reinos,
juntado tantas riquezas, mas ele tb era bom e amador do conhecimento …
ele soube de um sábio que vivia em uma de suas cidades, que era o mais sábio de todos (não lembro o nome do filósofo),
então, ele foi até ele e se apresentou…
o sábio estava pobre e fraco tomando seu sol matinal qd alexandre se prostra a sua frente: ´eu sou o grande imperador..
e posso fazer tudo q vc queira, admiro sua sabedoria…quero te recompensar!
peça-me e terás, faço qq coisa q pedir !!!´
o sábio olha pra ele e calmamente diz: ´q bom…peço então que vc pare de tampar o sol que estava me aquecendo”

é assim com o eu e a alma…
qd eu ouvi me identifiquei totalmente com alexandre o grande…
alexandre somos nós…que dizemos que fazemos tudo, qq coisa…podemos morrer pela nova alma, por esse caminho…
“é tão grande meu anseio, minha vontade de colaborar, peça e terás !!!”
e sem perceber, somos nós que barramos a passagem da luz que deve chegar à alma…

– pois é…
nossa conversa foi exatamente assim: “então o que devo fazer? me diga que eu faço!”

– o q vc deve fazer? sair da frente

– eu acho que não sei sair da frente…

– pare de achar que sua vida te pertence, que existem seus problemas, que existe sua forma de ser, que existe seu passado,
seu futuro…pare de tomar deciões de como vc deve viver, como deve fazer pra superar o que te atormenta, os seus esquemas
de sobrevivência, de não-enlouquecer…
mas tudo isso…só faz sentido qd se está no limite…e talvez a vida ainda tenha que te empurrar a ele mais um pouco… 

– mas eu já cheguei nesse limite antes.

– vc fugiu dele então.

– já cheguei nesse limite de entendimento…

– não é entendimento…é saturação anímica mesmo.

– e daí oq acontece?

– vc desaba e se abre.

– não muda nada! vc simplesmente acaba tomando as rédeas novamente. estou errada ?

– comigo não foi assim
eu quebrei pra sempre…enqto vc ainda tiver esperanças de ver o lado bom das coisas, no mesmo sentido dialético
das coisas… ainda vai ter q se confrontar com o outro lado da mesma moeda …talvez vc tenha q enxergar q parques e
shoppings são iguais !

– pois é…eu me lembro claramente de já ter enxergado…

– os insights servem pra que ajamos se não… somem no passado… não adianta vc dizer q já pensou nisso um dia…
faça ser assim !!!!

– obrigada !

– eu dizer é muito pouco…tenha alguma coisa na sua rotina que te lembre sempre, talvez seja essa a mágica do grupo…
vc ir a um lugar marca a sua vida pq vc tem que arrumar espaço na agenda, fazer esforço pra ir… marca a memoria,
ocupa um espaço e um tempo na sua vida…os livros que ocupam espaço na prateleira da sua memória…
impregne seu ser o máximo possível…contamine seu espaço e tempo!
leia algo, vá a algum lugar em que vc faça sempre algo relacionado ao seu proto-átomo…q seja um parque,
o mesmo parque, no mesmo banco, sempre com a única finalidade…
é muito importante isso, eu descobri pra que serve ir a um lugar, pra que consagrar templos…
se somos nós na verdade o templo, se a verdade está em nós…é pra isso!
marcar o espaço e o tempo…ocupar a memória, abrir espaço na agenda, criar o esforço …
(…)ai arrumamos um banco pra chamarmos de templo…embaixo de uma árvore bem frondosa em que diremos
que foi onde buda se iluminou…

(…)

– o pior é que eu me lembro…mas me sinto tão impotente…como é duro!!!

– é ótimo estar impotente…pq não é vc q tem q fazer nada. no fundo vc se sente impotente pq está
se esforçando pra se impor…
parece loucura nesse momento alguém te dizer pra parar de gastar energia pra se manter calma?
gaste energia tatuando sua rosa na testa !!!

um dia depois…

– em uma parte da nossa conversa vc diz:
“não há nada que ´importe mais´ do que resolver algo que está acontecendo neste momento”
certo?

– ok…certo.

– depois vc diz:
“pare de tomar decisões de como vc deve viver, como deve fazer pra superar o q te atormenta, os seus esquemas de
sobrevivência, de não-enlouquecer…”
não estou questionando o paradoxo…mas o que vc acha mais certo?
pq se vc entende que é para vc parar com todas estas coisas…é pq vc confia em algo….e se vc confia …
isso anula totalmente a primeira coisa que vc falou:
que não há nada que “importe mais” do que resolver algo que está acontecendo neste momento.
entende?

– não é um paradoxo
a primeira questão se refere a necessidade de não fugir das situações…não fingir que está tudo bem, não tentar “esquecer”
indo fazer coisas legais, vendo coisas belas…enqt na verdade sua vida está caótica!
a outra questão é: ok, não vou fugir, vou encarar de frente o que está acontecendo… o q devo fazer?
vc deve analisar profundamente seu ser, a realidade da situação, os motivos…esse auto-conhecimento, esse
discernimento é fundamental…
e ai vem a segunda questão: vc percebe q não dá pra fazer nada, vc mesmo não consegue…
“resolver” aqui, significa entregar a questão após profundamente ter visto ela de frente.
no evangelho da verdade tem uma passagem q diz q pra exterminar uma árvore daninha, não se deve pegar um machado e cortá-la
a força, pq ela vai crescer de novo…deve-se cavar até encontrar a raiz e expô-la à luz do sol… e ai a árvore morre!
esse cavar é o discernimento…
e depois deixa-se pra que se resolva pela luz.

– “resolver” aqui significa entregar a questão após profundamente ter visto ela de frente.
é o esgotar das possibilidades…vc não pode dizer que não há solução sem nem ao menos tentar todas possíveis….é isso?

– não.. não é esgotar as possibilidades…não é nenhum tipo de “agir”…é uma atividade da consciência apenas, q tenta
compreender a situação…não há nada a ser feito…não tente soluções,pare de tomar decisões aleatórias sobre como vc acha
que vai funcionar…
só aja qd não houver dúvida alguma que seja sua alma te impulsionando…ou seja…não aja…entregue-se!
morra!!

– entendi…agora sim !
agora vejo a falta de contradição…
enquanto houver dúvida…é apenas alexandre…tampando a luz…

– sim
compreenda a situação de forma sincera..na postura de tentar compreender o motivo cármico praquilo.
a maioria das pessoas quer simplesmente resolver as coisas q causam sofrimento e não tão nem ai pro q realmente tem q ser.
quem está num caminho espiritual, seu sofrimento não importa… é preciso compreender e agir conforme o q deve ser
experimentado, o q deve ser vencido !!!

os passos desta dança parte II

(ou: é preciso olhar cada dia…como se fosse novo, pq se vc olhar com cuidado, sempre é !
e deixar-se morrer…pelo que de irreal está, verdadeiramente morrendo.
ou ainda: a contradição: “é preciso ir, nada examinar e agarrar a primeira coisa Real que aparecer.”
ou por fim: eis a importância de se aprender a dançar: existem perguntas erradas, à estas, é possível dançar para poder enxergar o erro. mas existem perguntas corretas, à estas, vc tem que se agarrar e suportar a verdade de que se está só !)

“Só depois de muito tempo fui entender aquele homem…”

Lulu – Vc conheceu alguém, que por mais corajoso que fosse, conseguiu formatar toda a sua memória para à partir daí responder estas perguntas?
Sei lá, ainda acho que conseguir isso é o mesmo que conseguir que a simulação de uma personalidade torne-se o átomo de uma nova alma…

Hammadi – Eu vou reponder para você de uma maneira óbvia, simples, e que funciona: Somente alguém que ainda possui memórias-lixo impregnadas em seus circuitos, faz a pergunta se existe alguém que conseguiu formatar sua memória.
Agora Lu, nada acontece simplemente. Simplesmente, as coisas continuam como estão!
Como morrer a cada dia? Essa é uma pergunta correta? Sim, existem perguntas erradas! Como morrer a cada dia, como livrar-se da memória acumulada, de todo peso extra? Essa é uma pergunta correta? Porque isso te incomoda? Porque você quer se livrar da memória acumulda, do sofrimento, prque você quer morrer? Porque você quer ficar bem? Se for isso, então você traça um plano para “ficar bem” e chama isso
de “morrer a cada dia”.
É claro que você sabe o que quer. Você quer ficar bem. Porém, toda vez nós pegamos o bastão e acertamos sua cabeça!
Então você fica ralmente confusa, e também diz que está confusa para tentar não levar mais paulada! É exatamente como as crianças fazem!
Amiga, quebrar nossas resistências é algo doloroso. É essa angústia.

Lulu – Existe uma coisa que eu preciso dizer…ok…eu entendo o que vc quer dizer com morrer para tudo o que acreditamos ser, isso tem acontecido muito comigo ultimamente…aconteceu agora mesmo…quando entrei no SV e li o que vc escreveu sobre os cilclos…but…
Eu não sei quanto a vc….mas comigo, no mesmo instante que jogo fora algo que acredito, substituo isso por outra coisa…….me parece inevitável, não?!!!!!
E isso é parte do que está me deixando meio doida desse jeito….porém me parece que será para sempre assim…….joga-se algo fora e substitui isso por outra coisa….não há como ficar vazio….caramba !!!

“Eu queria ouvir muito, mas ele me disse pouco…”

Hammadi – Todos os dias quando acordo, Sempre sou Eu e sempre é Hoje!!!

Download…
.
.
.
Formatar toda a sua memória?
Todos os dias quando acordo, sempre sou Eu e sempre é hoje!!!
Eu vou reponder para você de uma maneira óbvia, simples, e que funciona:
Todos os dias quando acordo, sempre sou Eu e sempre é hoje!!!
Simplesmente, as coisas continuam como estão!
Todos os dias quando acordo, sempre sou Eu e sempre é hoje!!!
Substituição…claro!!!!
Todos os dias quando acordo, sempre sou Eu e sempre é hoje!!!
Não ha como ficar vazio…
Todos os dias quando acordo, sempre sou Eu e sempre é hoje!!!


É claro que as substituições existem e deixar que elas aconteçam pode ser uma forma de estar vazio…
ou ainda…estar vazio é o mesmo que não fixar-se em nenhuma delas…
Porém, para não fixar-se nelas é preciso coragem…é preciso entender com o coração que a cada segundo passado…
Sempre sou Eu e sempre é hoje!

“Quando se sabe ouvir, não precisa muitas palavras…”

Lulu – Droga! Mas eu havia escrito um post…
Outra parte de Lulu – Pois é…é preciso destruí-lo!
Lulu – Mas ele ficou bem escrito! Foi uma idéia genial e eu gosto dele.
Outra parte de Lulu – Porém não faz mais sentido. Coragem Lulu, livre-se dele. Foi uma idéia legal, mas já passou…
Lulu – Sim, já passou…

“Se hj canto esta canção, o que cantarei depois ?”
(por lulu em 17/07/06 – com trechos da música “dias de luta” – ira)

“onde vc está?

– AQUI
– QUE HORAS SÃO?
– AGORA
– O QUE É VC?
– ESTE MOMENTO ”
(trecho do filme: “poder além da vida”)

renato diz:
viu kaslu falando q eu não entendo porra nenhuma?
ele tá certo…eu posso até falar, escrever, mas acho q nunca vou entender porra nenhuma.

Lulu diz:
vc não precisa entender…se vc colacar o que sente de verdade !!! mas vc não coloca…e as pessoas percebem!

renato diz:
é…eu chuto mesmo ! ta certa…sei lá…vou continuar assim! heheheheheh

Lulu diz:
tá bom !

(alguns minutos depois)

renato diz:
parece q houve uma mudança depois q eu fui ai né?

Lulu diz:
não foi por isso não…

renato diz:
eh?
entao vc quer dizer…q se eu nao tivesse ido ai…

Lulu diz:
as coisas estariam, exatamente como estão !

renato diz:
eh!

Lulu diz:
o caso é que só agora percebi que vc comenta por comentar as coisas…
vc não comenta com o coração….eu percebi isso a partir do post do “escafandro”. kaslu já havia dito isso
outras vezes, mas eu resolvi não acreditar.
mas ele é foda mesmo…tudo o que ele fala é batata !

renato diz:
eh…e ele tá certo!
fazer oq…só q ele nunca havia me dito isto…
eu comento minhas idéias…elas vem e eu escrevo.

Lulu diz:
vc não vai ter pessoas pra te dizer as coisas a vida inteira renato. vc está num ponto que não cola mais…ou
se reflete com o coração sobre o que se faz e se diz…ou as pessoas que fazem assim: perdem a paciência ! o caminho é duro….vc não vê um obstáculo duro de passar e não pensa sobre como vai fazer isso….assim o obstáculo te devora !!
sabe, vc jah fez alguma trilha pesada?
daquelas duras de passar mesmo?
então vc chega num ponto, às vezes, que vc simplesmente precisa parar, obeservar a paisagem e pensar: como vou passar aqui? e vc reflete de verdade sobre isso…é sua vida que está em jogo !
talvez, mesmo refletindo, ainda não seja hora de vc passar por ali….mas pelo menos vc não arriscou sem estar totalmente alerta…pq se vc fizer desse modo….vc se estrumbica todo !
sem ter precisado, entende o que estou querendo dizer?
não tem problema se estrumbicar…tem problema se estrumbicar pq não se está totalmente alerta !

renato diz:
acho q sim…ja fiz uma trilha assim, mas qdo levo isso pra algo maior..como uma decisão importante, sabe? q poderia marcar minha vida antes e depois de tal decisão…isso não.

Lulu diz:
sabe qual a consequência?
agora vc já é o renato que não reflete…..então as pessoas já se acostumaram a não refletir sobre vc tbém.
é o que estou dizendo…
dá para se contornar isso….mas agora ficou bem mais difícil….pq vc em algum ponto….terá que fazer algo
realmente “bom” para ser notado de novo como o renato que vc quer….que entrou num caminho de coração!!! esse é o problema, na vida, de não se refletir sobre as coisas…
principalmente aquelas que o coração capta de alguma forma…mas não sabe exatamente pq.
é um indício de lembrança…tem que prestar atenção !
o que vc tem que entender…
é que não é brincadeira….a gente não tá brincando….entramos mesmo num caminho Real…que pra gente é Real e Existe de verdade….nós morremos por isso….essa é nossa vida entende? não é nenhum tipo de brincadeira…
se isso não der em nenhum lugar….tudo bem…mas nós chegamos até aqui !

eu vou colar trecho de uma conversa minha com sahid ontem pra vc ver o tamanho da coisa:

Lulu diz:
impressionante a conexão, impressionante !!!

Jeronimooo diz:
demais mesmo!
Lu, a gente tem que ir além do que estamos indo agora…

Lulu diz:
mas jean…até a gora a gente “não fez nada”…e chegamos até aqui…
será que não é um indício ?

jeronimooo diz:
é sim!!
como posso dizer?
bem…
são ondas indo e vindo, cada vez maiores e nós somos ondas também!

Lulu diz
e eu sei que vc sabe que a gente pode dizer sem nenhum pudor e com todas as letras: NÓS CHEGAMOS ATÉ AQUI !

Jeronimooo diz:
sim, com todas as letras mesmo!!

Lulu diz:
vamos continuar assim…a gente só não pode esquecer…mas isso se torna cada vez mais impossível tbém !

Jeronimooo diz:

sim!!
porque algo tem que se perder
algo tem que morrer
e para esse “algo” é impossível mesmo ir em frente…
e esse “algo’ sabe disso !

Lulu diz:
lembra que vc me disse uma vez: esse é o terreno mais fértil pra surgir uma força que não dependerá de vc ?
é isso jean !!!

Jeronimooo diz:
sim!!!
era aí que eu queria chegar!
o que sinto que posso fazer é rasgar minhas entranhas para abrir ainda mais espaço para essa força que não dependerá mais de mim.

Lulu diz:
que assim seja !

Jeronimooo diz:
assim é!!!!

Lulu diz:
afinal….o seu casaco impermeável tem um furo no peito…
do que mais vc precisa ?

Jeronimooo diz:
de muito chuva! hahahaha

Lulu diz:
…um raio fatal e fulminate de energia pura !



Lulu diz:

entende renato, não é nenhum tipo de brincadeira (apesar de tbém não ser tão sério assim…rsrsrsrs)….nós não sabemos pra onde…mas temos CERTEZA que estamos avançando pq coisas acontecem…
se o kaslu diz que vc não entende porra nenhuma…
acredite !!! ele está dizendo isso com todo o Ser dele…
com todo o amor que ele pode ter !!!
e vc não está levando isso a sério…
isso cria uma barreira intranponível !
pq o kaslu é um ser indizível….e ele sabe também com todo o Ser dele, com todo o amor dele, que vc não está levando isso como “deveria”.

Renato diz:
sim..eh muita coisa!
eu nem tinha noção do q era qdo comecei, nunca tive !
iniciei um caminho sem saber q caminho era esse e fui aceito pelo menos de alguma forma.

(não…vc não é especial, nenhum de nós é, renato!)

Lulu diz:
“acho q sim…ja fiz uma trilha assim
mas qdo levo isso pra algo maior..como uma decisão importante sabe? q poderia marcar minha vida antes e depois de tal decisão…isso nao”
vc disse isso !
que eu colei ai em cima…
agora espera, e reflita sobre isso!

renato diz:
viu como eu ainda nao tenho dimensão?

Lulu diz:
cada passo…cada coisinha mínima que seja, é uma decisão importante….marca a sua vida !
tem que ser, não pode ser de outra forma !
d. juan está dizendo:
“vc vai morrer, a morte tem que ser sua companheira e mais do que isso: sua conselheira !”
se vc continua levando a vida assim, separando momentos especiais de momentos corriqueiros vc nunca dará um passo.
pq todo momento tem que ser vivido como se o último fosse. e é !
mas vc tem que sentir isso.
no filme “poder além da vida”, sócrates diz:
“não existem momentos comuns.
está sempre acontecendo alguma coisa.
vc tem que retirar o lixo, e retirar o lixo é se preocupar com a única coisa que importa: este momento!”
que não é comum, e nem nunca será !
e dan, no filme, trava uma luta consigo mesmo….até perceber isso de verdade !
uma luta demorada…árdua…até que ele sente:
não existem momentos comuns, está sempre acontecendo alguma coisa !!!

renato diz:
era isso q eu queria, ta certo q vc conversou com o kaslu, ta certo q vc diz q td estaria na mesma,
mas era isso q eu queria indo até ai !

Lulu diz:
esse é seu problema…..vc queria !
vc faz uma coisa, para outra !
mas a outra está no futuro, não existe !
e o seu maior presente lhe escapa pelas mãos…
vc pode se frustrar !

parte 10 – O FIM – mas antes…

“E aqui, assim, pelo amor a mim investido… diante deste post, coletivo, círcular… que celebra toda a sua existência como sempre foi: misteriosa ! Decreto o fim de somente a verdade… Que Lulu, Kali e Pato guardem as nossas cinzas!! Pois em algum junho, ele há de renascer!”

– “…está na hora de vc trilhar o seu caminho espiritual, pois vc está

pronta !!!”
(por kaslu)
.
.
.
E então, o derradeiro presente, me foi dado. Eu não soube o que fazer com ele e como desconhecidos, íntimos que éramos, passamos algum tempo apenas nos tocando, em silêncio !
Pois então, o presente era meu, e dele eu haveria de fazer algo. E fiz !

O MESTRE

naquele tempo, fora tirada brutalmente de seu lugar de conforto e colocada, pela primeira vez, na frente do espelho, obrigada a superar a si mesma!
o espelho, naquele tempo, fora um lugar desconfortável, que fizera refletir o que já existia em si, mas os olhos sozinhos nunca foram capazes de alcançar.
naquele tempo, depois que se acostumou com todos os reflexos do espelho, fora arrancada da frente dele e colocada diante do Outro. ali, aprendera a lutar, aprendera que a luta, nada mais era do que dança!
que não importava vencer ou perder, pois a luta/dança só servia
para aprender o maior número de golpes/paços possíveis ! E nesse caso,
a morte era tão boa quanto a vida…se não melhor !
naquele tempo, ela percebera que todo lugar era abismo, e por
inúmeras vezes fora jogada para baixo e obrigada a enxergar mãos que
nunca estiveram lá para amparar, mas que pela simples presença,
faziam subir, às vezes mais alto do que imaginara chegar.
e quando estas mesmas mãos não foram suficientes, e não impediram
a queda, ela finalmente encontrou o deserto, que embora vazio, abrigava
pegadas, que a impeliam a seguir em frente, avançar mais um pouco !
andar no deserto nunca fora fácil, a repetição circular de imagens,
sons e cores te fazem cansar, e quando vc finalmente avista algo
diferente, descobre depois que eram apenas miragens perdidas de oásis
desaparecidos.
mas naquele tempo ela percebera que “aquele tempo” é, foi e sempre será
hj !
agora, nesse tempo, onde as pegadas já não existem mais, é que ela finalmente entende o milagre:
o mestre sempre fora aquele que da terra, fizera enxergar um milhão de km
à frente e para o alto…
mas o mestre, é como um barco a atravessar o rio, depois de chegar ao lado oposto, é preciso abandoná-lo !
e isso, é Somente a Verdade !
Pois veja se vc me compreende:
(por lulu)

O FIM !

O DERRADEIRO DIA D
( parte 10: A dissolução da antiga aliança.
Retornar para Lembrar.
A Nova Aliança )

A não ser por Yazelovit, que estava a sua frente, ninguém havia notado a diferença. Aquele Kaslu possuia algo novo. Todos haviam ficado tão concentrados em restaurar a conexão com a Imagem, que não perceberam que também Kaslu havia, por um nano-tempo, estado além da percepção de todos. Um tempo tão pequeno que passara como se não tivesse existido. Hammadi havia sumido, literalmente, no pulsar do círculo; porém o que acontecera com Kaslu só podia ser percebido indiretamente. Yazelovit assim o fizera. Assim, algo se lhe tornara evidente: aquele Kaslu, a sua frente, estava diferente. Ainda o mesmo, mas com certeza, diferente.

Os dois começaram a retornar. De repente os contornos de Hammadi iniciaram a se dissolver. Kaslu sabia que algo também iria lhe acontecer. Foi então que viu vários eventos se superpondo. Viu Weiss em sua máquina do tempo, uns vinte metros acima do solo, praticamente ao seu lado, e também o mesmo Weiss achando a mensagem holográfica no gelo. Viu Hammadi através de diversos rostos que se sobrepunham, inclusive o seu. Teve tempo de lhe dizer que voltaria para buscá-lo.

Teve tempo.
A imagem da Pedra Uraniana lhe veio como um clarão, mantendo-o conectado. Sentiu o pulsar do círculo e era como se o tempo se dilatasse. Viu blocos de espaço se aglutinando, blocos se contorcendo e criando formas. Viu sombras e luzes se misturando em formas lisas, redondas, contorcidas, espiraladas e, em cada uma delas, via grãos de espaço correrem, uns em velocidades diferentes dos outros. Via tempos como espaços em movimento. Via espaços como tempos dilatados e contraídos. Via formas, como resultados de interações entre esses grãos-espaço-tempo. Estava tateando as cascas dos vazios esféricos dos mundos…

Então tudo cessou.
Como se fora acordado de um sonho, se viu em lugar nenhum. Não havia chão sob seus pés, nem teto sobre sua cabeça. Nenhuma referência. Absolutamente nada. Não ouvia nem mesmo seu próprio respirar. Não sentia seu corpo. Nem mesmo escuridão havia. Sim, nem mesmo escuridão que pudesse servir como algo para que concluísse que nada via. Simplesmente não havia o que não ver, não havia o que não ouvir, o que não sentir. Ele estava lá, mas lá não estava em lugar algum…

Então, em meio ao Nada, uma necessidade de se expressar lhe veio, surgiu. Quis dizer, quis criar: som. O som que carregasse sua necessidade de expressão, seu pensamento ainda sem órgão. Tudo porque queria: ver. Não porque estivesse tudo em trevas escuras, pois não era esse o caso. Aquelas trevas não possuíam nenhum atributo de escuridão. Queria ver, como uma necessidade de respirar, mesmo sem Ter pulmões. Seu pensamento criaria o pensar. Seu respirar criaria o ar. E assim, como os grãos dos espaços-tempos ainda incriados, que em seus movimentos criam a si mesmos em formas reconhecíveis, pelo movimento dos silêncios criava os sons. E o primeiro som, ao dizer-se, criou aquilo que permitiria nascer a visão. E era como um borbulhar do nada, gentilmente faiscando centelhas e luminescências que se desprendiam iluminando, ganhando liberdade e preenchendo aquilo que se tornava um só corpo.

Então ele viu as letras. Viu serem moldadas… e viu Tântalo… e viu o que Tântalo via: letras se agruparem em sentenças, sentenças se moldarem em gotas luminosas que se agrupavam em formas fluidas e se projetavam, ganhando consistência líquida e… cor. Presenciou o surgir das cores que, também como grãos, átomos-tinta, corriam em caminhos, túneis, vãos, montes; cores que pincelavam degraus, contrastando níveis, brilhando beiradas, ressaltando precipícios e cumes. Era o refundir de energia e matéria. Era o intervalo atemporal entre o contorcer de espaços-tempos e sua geração de formas. Eram explosões gentis, sem quedas, sem dores. Eram implosões corretivas, sem apegos, sem esquecimentos. As cores eram a descrição das ações das forças gêmeas originais, que não destroem o que criam, mas destroem o que impede o criar, e pela dissolução plasmam sentidos…

Ouro. Dourado. Amarelo. Sol.

Então a Pedra e sua Imagem lhe veio novamente. Estava chegando à nave. Surgiu no corredor oficial e foi em direção a Dankar que se encontrava de joelhos com Yazelovit a sua frente.
Tempo.
Novamente ele estava correndo. Sempre contra.
Não pensava. Era preciso criar o correto pensar.
Ouviu a si mesmo falando algo com Yazelovit, o velho Kaslu e seu modo de sempre. Então pensou em restaurar a conexão, a Lembrança da Imagem. Viu o pensamento do velho Kaslu focado em Hammadi, mas este mesmo ainda não era o pensar. Sentiu suas mãos, ligadas as velhas mãos, se contraírem e socarem um ponto específico nas costas de Dankar. Então ele soube. Havia Dankar que lutava com suas memórias implantadas. Havia Sahid, corajosamente indo em direção a Marte, levando as tropas na Frente, com o coração ligado a ele. Havia Weiss, Hammadi, Yazelovit e os outros, incluindo o velho Kaslu. E nenhum deles estava pronto, ainda. Ainda havia algo a fazer. Viu o velho Hammadi e viu que ele morria. E também para este ainda havia algo a fazer. Viu o Velho Druída de Europa e soube que ele era Novo. Assim como nova seria a Imagem, o círculo, os irmãos. Viu o tempo novamente se dilatar e, Hammadi ao seu lado… e alegrou-se por compartilhar com este um novo pensamento. Viu um novo círculo e a aliança dos serpentes de fogo ser desfeita e uma Nova Aliança se formar. Então abriu a mão, a mão escondida na mão do velho Kaslu que tocava as costas de Dankar. Mas a sua mão, que se abria, lhe tocava o coração…se abria qual botão desabrochando num dia ensolarado. Então, pelo reflexo no olhar de Hammadi ele viu a borboleta que o Filho lançava em vôo, escrita na visão das centelhas-constelação que o Druída desenhava.
Então ele soube, ele e Hammadi, da Entrega, do Serviço, e da Força que os acompanha. Soube do toque no coração que restaura a conexão perdida, soube da promessa do Todo que se cumpre.

Kaslu viu algo diferente no olhar de Yazelovi, algo que tinha a ver consigo mesmo, mas logo correu para acudir Hammadi, para amparar seu amigo que falava algo sobre o vazio…

meta-nota:
Três horas mais tarde, as tropas de assalto estariam na órbita de Marte. Sahid, assim como todos, sabia que nenhum deles voltaria vivo. esse era um exército imbatível, exatamente por isso. Não eram fanáticos lutando por uma causa, ou seguindo algum líder carismático. Era um grupo indo em direção a morte, simplemente porque era o que deveriam fazer. Era a hora. Os planos iniciais seriam todos mudados. O grupo dos serpentes de fogo estava desfeito. Yazelovit não mais podia entrar na mente de nenhum de seus irmãos…nenhum deles o podia. Porém havia algo novo, e foi Yazelovit quem primeiro percebeu. O novo plano era o desembarque em massa de todos. Ninguém ficaria em nenhuma nave. Ainda caberia ao antigo grupo dos serpentes levar a máquina, porém todos desembarcariam juntos. Sahid já haveria descoberto o dispositivo implantado e, para surpresa de todos, diria que aquilo era uma ótima idéia. A idéia inicial era que o grupo seria enviado ao passado no caso de uma explosão nuclear. O implante, modificado por um outro dispositivo, traçaria uma rede que abarcaria toda a tropa, de modo que todos fossem enviados juntos. Nenhum desses dispostivos, assim como a máquina de teletransporte, eram patenteados. Eram, portanto, considerados ilegais. Somente o pequeno grupo, devido a necessidade de segredo, deveria saber deles. Momentos antes do desembarque o grupo dos serpentes de fogo, reconhecendo a aliança desfeita, aguardavam por algo. As tropas esperariam por Yank, porém o grupo sabieria que não seria isso, ainda não. Hammadi não nutriria mais nenhuma ansiedade, assim como Yazelovit e todos os outros. Yazelovit olharia para Kaslu e Hammadi de uma forma que tornaria evidente que algo lhes acontecera. Os dois nada falariam. Permaneceriam silenciosos. Seria o dia de 27 de junho de 2757, do calendário da Terra. Exatos 753 anos atrás. Weiss, ritualisticamente, entraria na cidade de refúgio… e, no mesmo instante o grupo tomaria conscicência de uma nova conexão entre eles. Então todos ouviriam o badalar de um sino atravessando o tempo, como um chamado no eterno presente. Os demônios de Dankar perderiam sua malignidade e, assim, um por um daqueles homens teriam seus receios, medos e fraquezas postos a prova e vencidos. A Nova aliança estaria firmada e ativa. O Novo, mesmo que ainda não plenamente reconhecido, estaria presente, e agiria.
No desembarque, as tropas seriam recebidas pela mais pesada artilharia. Todos os tipos de explosões destinadas a diminuir o moral da mais brava tropa que se possa formar, seriam levadas a cabo. O servos dos Quânticos, com suas tropas robôs, se colocariam como uma barreira impossível a frente do destino dos homens. E a história registraria o momento quando Yank surgiria como um guerreriro gigante, portando uma espada e escudo em meio a homens repletos de armamantos tecnologicamente avançados. Se registraria a cena desse guerreiro invencível dando saltos de quinze, vinte metros, desviando de feixes de plasma, sumindo e reaparecendo como sombras de luz, atravessando centenas de robôs com um só golpe, abrindo um clarão em meio às tropas zionitas de Arhiac, para que o grupo da Nova Aliança pudesse chegar até o destino e enviar a máquina ao futuro, no exato momento em que, desesperados, os Quânticos detonariam uma reação nuclear que dizimaria a todos os presentes, naves, robôs, equipamentos, humanos. Os dispositivos de Hammadi e Kaslu funcionariam e todos os humanos seriam lançados ao passado, enquano Yank desapareceria e se raglutinaria em meio ao planena central dos quânticos diante de um batalhão aterrorizado: a guarda elite dos sacertodes de Arhiac. Yank se dirigiria em meio a todos sem ser detido. Sua simples presença faria a quem estivesse muito perto cair desmaiado sentindo o ar sumir de seus piulmões ou a eletricidade se apagar de seus circuitos. Ele atravessaria todo o corredor e subiria as escadas e entraria no templo de Arhiac, onde estariam os doze quânticos regentes do universo. Todo o templo viria abaixo com a vibração de suas palavras: “mil anos”. Daria a sentença e sumiria, assim como os humanos em direção ao passado na Terra. Lá chegando eles se lembrariam do passado que acontecera no futuro, mas que dependeria de suas ações no presente. Seria uma imensa busca e reposta ao chamado, o mesmo chamado ouvido, em todos os tempos, como o som renovador de um sino mágico. Todos se reencotrariam na cidade de refúgio, unidos pela lembrança que, pela entrega de cada um à Luz, se completaria. Nesta cidade reencontrariam as pegadas do Druída de Europa e o elo com os círculos dos escolhidos, reencontrariam o Homem do Apocalipse, assim como seu sonho de nascimento do Filho, como um corpo, uma Barca em meio ao deserto. Ali, a Verdade seria o Mestre, a Gnosis a Guia, o Amor a Fonte, assim como em todos os tempos passados e futuros sempre o foram, seriam, são. Os nomes seriam os mesmos ou diferentes, alguns por coincidência, outros por opção, mas isso não importaria, pois a história não resgistraria estes nomes, mas os fatos futuros que, escritos no passado, confirmariam o presente.
O importante nunca foram os nomes, nem o que se acredite que eles representem, pois o que está aqui é, foi e será, Somente a Verdade.

FIM DO TOMO 1

(por kaslu)

trabalhos

plante1_blog.gif

esta foi a ilustração que eu fiz para concorrer a mil reais num site de estamparia de camisetas…
vc faz uma ilustração, seguindo as regras deles (é claro!), e se sua ilustração for bastante votada, vc ganha uma camiseta com a estampa que vc fez, prêmios em dinheiro (que aliás, estou precisando mto.) e em produtos tbém…

mandei agora mesmo para eles e em 24 horas terei a resposta se minha estampa foi escolhida para concorrer…
se sim, volto para pedir votação para os amigos, né?

(ah é! valeu pelos pitacos, renan!)