Refrão

Se ela pudesse
viveria apenas de restos

o resto do chá no fundo da xícara
que trás o gosto da essência
o resto de tarde que cega os olhos do que não importa
e trás os mistérios da noite
o resto da manhã que finda
antes de ter de acordar para mais um dia qualquer
o resto daquela força
que ela nem sabe que tem
o resto da chama que apaga a quentura e o sono
mas que ainda assim ilumina
o resto de tinta na paleta de cores
da pincelada que faz diferença
o resto de hora do tempo que se abrevia
e te obriga a andar
o resto da música
que leva consigo o refrão
o resto do oceano que desemboca na praia
e forma as ondas do mar
o resto da lua que mingua
e ao mesmo tempo sorri
a luz das estrelas
que já é feita de resto em si mesma
o resto de primavera
que colore e dura a calçada de flores

ela era feita de restos
o resto do giro da última dança daqui

ela era feita de restos
o resto do salto da última queda que faz acordar

ela era feita de restos
o resto de estrada que trás a visão da chegada

e sim, ela era feita de restos
o resto de tudo aquilo que acaba
mas que ensina a voar

enquanto o post não vêm…

.

ouve o chamado?
vc está só
canta junto
não precisa saber do quê

reconhece

não diz nada
não precisa
apenas sorri

caminha junto
ultrapassa

olha nos olhos
o tempo pára
por um instante
continua

abre

.

.

.

fecha portas
na proporção exata

atravessa

reconhece
é reconhecido

canta
canta
canta
canta

prepara
aponta

essa é a sua guerra

corre
abandona
esvazia

dissolve
dissolve
dissolve

deixe de existir

você
você
você

e fim !

..

.

.

.

=/

dia desses, minha mãe estava descrevendo eu e meu irmão pra alguém, numa daquelas conversas de cozinha…e eu ouvindo aqui da sala…
ela dizia:

– o ti vai andando, andando, andando…quando ele chega na beira do abismo, ele para….olha…e volta !
…e a lu vai andando atrás…só que quando ela chega no abismo…ela não pensa duas vezes.
se joga !

entediada, eu?

IMAGINA…

alice_dorme.gif

“Alice estava começando a ficar muito cansada de estar sentada ao lado de sua irmã e não ter nada pra fazer: uma vez ou duas ela dava uma olhadinha no livro que a irmã lia, mas não havia figuras e diálogos nele e ´para que serve um livro´, pensou Alice, ´sem figuras nem diálogos?´
Então, ela pensava consigo mesma (tão bem quanto era possível naquele dia quente que a deixava sonolenta e estípida) se o prazer de fazer um colar de margaridas era mais forte do que o esforço de ter de levantar e colher as margaridas, quando subitamente um Coelho Branco com olhos cor-de-rosa passou correndo perto dela.”

(por LewisCarroll em “Alice no País das Maravilhas – CapítuloI – Para Baixo na Toca do Coelho)

uma caixa chamada…

MUNDO !

blog.jpg
desenho por: lulu

eu sou uma menina sem rosto…
e daí ?

elogio do silêncio
(por juliano garcia pessanha em “sabedoria do nunca”)

e uma vez que as grandes histórias perderam seu vigor, eu teria que imitar o demiurgo e narrar-me outras que me dessem duração e forjassem os dias onde eu pudesse caber.
se mesmo minhas dores já não estão associadas a nenhum acontecimento, seria preciso que eu lhes reinventasse a trama; mas eu preferi me manter na obscuridade e na distância de qualquer acesso: para que saber as linhas do meu rosto se este “adeus” e este “abandono” podem ser a última transfiguração?