era uma vez…

a menina

ERA UMA VEZ O MUNDO

menina

MUNDO

meninA

mUNDO

meniNA

muNDO

menINA

munDO

meNINA

mundO

mENINA

mundo

MENINA !

Anúncios

o pior cego é aquele que não ouve !

ela até usou uma metáfora, disse que minha cabeça, se parecia com uma colméia oca e abandonada !
antes fosse mesmo !

“a sua mente está vazia” “e mente vazia, é oficina do diabo”

antes do diabo, do que de um deus preconceituoso e bundão, assim como deve ser o dela !
e antes vazia, do que cheia de convicções que não conseguem olhar no fundo dos olhos e explicar as coisas !
aliás, antes estivesse mesmo vazia e eu não tivesse que travar uma luta diária com os nós que ela me dá.

– desculpa senhora, mas eu não preciso ocupar a minha mente pq não tenho medo dela ! eu fico com ela sozinha…não que seja numa boa, mas tento desfazer com minha dolorosa vigília, os nós que ela pode e provavelmente vai me dar .

mas acho que ela nem entendeu, mesmo porque não ouviu !

que raio de deus é esse que não pode impor a mão sobre a cabeça de um filho por qualquer raio de coisa que o parta ?
que deus é esse que escolhe a dedo, quem deve ou não deve ser batizado com sua água sagrada ?
que raio de discípulo é esse, que adentra ao templo sem ter entendido NADA?

– e sim senhora, a minha casa é assim mesmo !
não tem sofá…nem cadeira…e muito menos cama !
mas seja bem-vinda ! quer tomar alguma coisa ?
(…)
– pois é isso mesmo…eu vivo como os índios…e antes me deitar numa rede bordada pelas mãos de uma bela negra africana, a me deitar numa cama de pau, que fez necessário desmatar florestas e mais florestas pra fazer adormecer as cabeças CHEIAS desses europeus católicos como a senhora !

depois de tudo isso, a máscara “deus” se faz necessária mesmo, né ?
e a pessoa sai daqui dizendo que me ama, e que vai orar por mim, mesmo assim !

e se minha amiga july estivesse aqui, provavelmente diria:
– é cada uma que nós temos que passar nessa vida, né lulu?


a era da pedra !

eu e minha prima ontem de noite, conversando sobre o mundo…antes de dormir !
quando de repente, de um estalo, ela vira e diz:

– estamos todos enganados lulu…eu já sequei tudo ! agora eu já saquei tudo !
o final não será fogo….nem água…nem a volta de um messias…como todos pensamos…
o final será…

pedra !

– pedra ????

– é lulu…no fim, vamos todos virar pedra !
e já começamos, pelo coração ! e só olhar as pessoas a sua volta !

– é…faz sentido !
=/

“o amor é filme !”

Sim…eu fico ansiosa, quero que as coisas aconteçam logo !
Não percebo que já estão acontecendo, que tudo faz parte do encontro…desde onde tudo isso começou !
É que às vezes…ironia…eu mesma me esqueço que o amor precisa de uma história !
Mas eu esqueço só às vezes, e como tenho a natureza dos que se jogam, não desprezo nenhum par de asas, ainda que quebradas. Mesmo que sejam asas de ansiedade…
Pois o que seria de uma bela história de amor sem pressa, ansiedade,
um pinguinho de dúvida, solidão…e um grande final?
Eu descobri que só os que amam aprendem que a solidão é boa…que não há nada mais valioso do que estar só, em uma noite onde se constroe amor pecinha por pecinha, e se escondem alicerces por entre cada pequenino detalhe !
Com minhas asas quebradas, às vezes penso estar voando. E o desejo honesto desse vôo, em plena queda, encontram suas mãos que com amor, sempre me levam pra cima, ainda que caindo !
Porque toda história deve durar o suficiente, pra continuar viva pra sempre !

Resgate Humano Planetário

VIDA E MORTE COMPARADO A QUANDO LIGAMOS E DESLIGAMOS O COMPUTADOR !

Ao meu ver, ao ligá-lo é como se estivéssemos nascendo com um corpo novinho, uma máquina que acaba de sair da fábrica e que vai começar a ser usada.
Agora vamos imaginar que esta máquina vem com conexão a uma rede que a liga a todos os arquivos de todas as outras máquinas que existem ou que existiram e que se conectaram àquela rede, porém não
sabemos como acessar tal rede !
Imaginem que existem muito “programas” feitos com o objetivo de distrair nossa atenção com o máximo possível de entretenimento para que não sintamos necessidade de acessar a rede, uma vez que a máquina e tais programas já são suficientes para prender toda a nossa atenção.
Quando morremos, outra máquina nascerá para substituir a máquina que éramos e tal máquina também estará ligada a essa rede e acessará inclusive o que estamos deixando agora, independente de nossa consciência de que tudo o que fazemos com essa máquina ficará registrado nos arquivos de tal rede.
Imagine que por longas e longas eras, existiram as pessoas que sacaram que através desse computador que recebemos ao
nascer (corpo), poderíamos acessar tudo o que estava gravado na rede, mas cada uma dessas pessoas resolveu chamar isso de uma coisa diferente e cada uma procurou desenvolver ferramentas específicas que permitissem tal acesso…
Assim, fundaram-se as mais variadas religiões e crenças desde sempre, que na verdade, nada mais eram que acessos as mais remotas “lembranças” que o homem é capaz de ter.
Porém, o modelo adotado desde lá de trás sempre foi baseado em nossa sociedade de hoje, ou seja, sempre foi baseado em modelos que prevêm que tudo o que existe é baseado no homem, quando na verdade, existe muito mais do que isso aqui que supostamente conhecemos.

Os “Maias” falavam sobre um estado que a humanidade alcançaria de uma mente coletiva, onde o acesso às lembranças e a mente de todos ficaria “aberta”, o que faz com que todos tenhamos consciência de que estamos ligados a rede e de que o que importa não é o computador de cada um, mas sim o que eles estão deixando gravados nos arquivos. Falavam de um estado que seria muito mais do que comunicação telepática, falavam de um estado onde todos teriam a consciência de todos, onde o acesso ao
pensamento se tornasse coletivo. Um tempo onde não seria mais possível a mentira ou o que quer que seja, porque a barreira do acesso seria derrubada. Falavam de uma mente coletiva, por isso sua assinatura: “In Lack´ch” (“Eu Sou um Outro Você”).

Minha idéia é de que nós nunca morremos, apenas trocamos de máquina, porém quando a outra máquina é ligada, ela não sabe ainda como acessar a rede.

Agora vem a parte que acho mais intrigante de todas: é o seguinte: se a teoria da evolução estiver certa, se o universo está em expansão mesmo e tudo tem uma “origem” comum, então, carregamos em nosso material genético, toda a informação desde o início, ou seja, está no nosso DNA a chave para o acesso a tudo, a chave do nosso acesso à rede.

É muito louco imaginar que por exemplo: não morremos e sim somos transferidos para outra máquina através de um disco que grava informações chamado DNA. E ainda por cima, todo novo ser recebe metade do “disco” do pai e metade da mãe, ou seja, é muita informação desde os pimórdios !

Putz…hora de parar um pouco este post e colocar um pouquinho os pés no chão !!!

Se me perguntarem se é nisso que acredito hoje, direi que acho que isso ai é só um esboço grosseiro que consigo fazer com as informações que têm chegado até mim !!! Mas que a rede existe e que é possível acessá-la, eu não tenho mais nehuma dúvida !

=/

dia desses, minha mãe estava descrevendo eu e meu irmão pra alguém, numa daquelas conversas de cozinha…e eu ouvindo aqui da sala…
ela dizia:

– o ti vai andando, andando, andando…quando ele chega na beira do abismo, ele para….olha…e volta !
…e a lu vai andando atrás…só que quando ela chega no abismo…ela não pensa duas vezes.
se joga !