spiderwick

o livro
o segredo
e todo o resto
eram apenas visões comuns
que serviam para lembrá-los o tempo todo
àqueles que podem vê-las e que se reconhecem aliados
a manter vivo o que mais importa
a única coisa Real
a única coisa que protege
que sustenta
e que sustentará
mesmo quando deixarem de existir !

pois veja se você me compreende:

thespiderwickchronicles.jpg

O CÍRCULO !!!!

Anúncios

uma caixa chamada…

MUNDO !

blog.jpg
desenho por: lulu

eu sou uma menina sem rosto…
e daí ?

elogio do silêncio
(por juliano garcia pessanha em “sabedoria do nunca”)

e uma vez que as grandes histórias perderam seu vigor, eu teria que imitar o demiurgo e narrar-me outras que me dessem duração e forjassem os dias onde eu pudesse caber.
se mesmo minhas dores já não estão associadas a nenhum acontecimento, seria preciso que eu lhes reinventasse a trama; mas eu preferi me manter na obscuridade e na distância de qualquer acesso: para que saber as linhas do meu rosto se este “adeus” e este “abandono” podem ser a última transfiguração?

em domingo de ressurreição…

EU ESCOLHO MORRER !

“o nome do meu pai é sonho.
o nome da minha mãe é morte.

alguns preferem o meu pai
(…)
mas é minha mãe quem pega pela mão,
e leva embora no final da festa !”

(por josé paes de lira – o lirinha do “cordel do fogo encantado” – em “mercadorias e futuro” – a peça foi dirigida, escrita e produzida por ele mesmo !)

vale muito a pena conferir. eu tive a sorte de, por mero acaso, ter assistido hj, no domingo de páscoa !

décimo primeiro mandamento:

DANÇAR !!

a-volta-do-todo-poderoso-02.jpg

eu não quero coragem
paciência
amor

 a vida por si só
cada momento
cada aqui e
cada agora
traz  consigo
a oportunidade
para se ter
coragem
paciência
amor

eu não quero coragem
paciência
amor

eu quero oportunidade !
que é vida !
que é aqui !
e que só pode ser agora !

in “backstage”

 backstage21.jpg
na foto: juliana romano (que fez o papel de margarida)


(…) 

às vezes me sinto dentro de uma caixa.
uma caixa de paredes movíveis apenas pela compreensão.
herméticamente fechada…
me sinto impotente.

quem tem a certeza de tudo
a falsa certeza de mundo
está preso nela como eu !
não há saída…
as paredes não me explicam nada !
 

o que tem fora dessa caixa ? 
o que existe além destas paredes ?
esta caixa é enorme !
eu já conheço de alguma forma toda a sua extensão…
mas suas dimensões são impossíveis de serem compreendidas por mim.
 
t
ambém não entendo porque estou aqui preso !
queria sair, mas nunca me deram a solução.
 
nos quatro cantos há respostas…
mas todas elas me levam a mais perguntas…
angústia ! 

me agarro a falsas imagens.
supero minha solidão com pensamentos que eu materializo…
eles nunca são reais !
 
o meu próprio tempo me angustia
me degenera
me consome como se eu fosse dele.
será ele, portanto, o meu senhor ?
ao que ele me responde a tudo em silêncio…
 

não me ignores! quem é você afinal ? (carlos aponta para o alto como se dialogasse com deus)

há uma agonia pulsante que me mantém alerta !!!
logo sairei daqui…
logo sairei daqui !
 

(…)

coisas muito drásticas precisam lhe acontecer para que vc permita que seu corpo aproveite tudo o que aprendeu.
carlos precisou de um encontro definitivo com a morte, para que ela lhe contasse o grande segredo: o deserto…a caixa…herméticamente fechada !
mas há um prazer muito sutil em se saber a verdade: não há saída!
mas se há, ela está escondida em cada rasgo, em cada sorriso, em cada dança, em cada fiapo de luz que o sustentará…
aqui !
na vida !!

daí ela veio e disse:

–  o que é um buraco-negro?

buraco_negro.jpg

– ah, entendi!! tipo a alice, né mamãe?

– (…)

– ele é bom ou é ruim?

– o que vc acha?

– ah, eu acho que ele é bom!

– e de onde veio o sol?

– ?????? hummmm ??????
….já sei!!!

“- zé big: nós somos o resultado da primeira maravilha do universo: o ponto singular: a grande explosão: o Big Bang! irmão, lembra da história? e então o big pequeno ponto explodiu e bang!!! – surgiu o universo com suas estrelas, constelações, sóis, planetas, luas e tudo o que se possa imaginar!”
(in Pinóquia – a peça!)

ela saiu e voltou depois…

– olha o desenho que fiz pra vc!

banana.jpg

– o que é?

– é um coqueiro…mas eu esqueci de fazer as bananas…

– bananas? mas um coqueiro não dá côco?

– não mamãe…um coqueiro dá bananas, ué!

:))